30/05/2017 - Evandro - CETEC FertiSystem Performance de cultivares de soja conduzidas no CETEC FertiSystem


Performance de cultivares de soja conduzidas no CETEC FertiSystem

Para o planejamento da safra, uma das primeiras e principais decisões que o agricultor deve tomar é qual cultivar semear. Existem no mercado diversos materiais, principalmente na região Macro 1, no sul do Brasil. O agricultor seleciona qual cultivar mais apta a sua realidade, de acordo com sua tecnologia disponível, clima local, planejamento de época de colheita, pressão de patógenos, etc.

A previsão de comportamento de cultivares de soja em um determinado local é muito complexa, tendo em vista as variações edafoclimáticas de regiões de mesma latitude. Nesse contexto, torna-se necessária a realização de ensaios de campo para se conhecer a fenologia de diferentes cultivares (VERNETTI, 1983).

Com o objetivo de identificar as cultivares mais produtivas na área do CETEC FertiSystem (Centro Tecnológico FertiSystem), durante a safra 2016/17 foram conduzidas parcelas demonstrativas a campo. Em um talhão, foram instaladas 6 parcelas demonstrativas com dimensão de 9 m (20 linhas) x 100 m. Cada parcela constituiu-se de um tratamento: P 95R51 tolerante ao glifosato, BMX Raio IPRO (50I52 RSF IPRO), BMX Elite IPRO (5855 RSF IPRO), NS 5445 IPRO, BMX Lança IPRO (58I60 RSF IPRO), NS 5959 IPRO e M 5730 IPRO. Para os tratamentos químicos de manutenção da cultura, foram confeccionados corredores para a passagem do trator para uma perfeita cobertura das parcelas.

As cultivares foram semeadas em espaçamento 0,45 m, com a densidade populacional de acordo com a recomendação das indústrias de sementes. Na operação de plantio, foram distribuídos, por meio de dosadores FertiSystem® Auto-lub AP NG, 308 kg/ha da formulação NPK 02-23-23. Em superfície, foram aplicados, em estágio inicial de desenvolvimento da soja, 87 kg/ha de cloreto de potássio.

Quando cada cultivar atingiu estádio R7 (50% das plantas com amarelecimento de folhas e vagens), foram realizadas avaliações de altura de plantas, número de vagens e estande de plantas. O estande de plantas/ha foi estimado por meio da avaliação de 12 pontos de 1 m em cada parcela. A altura e o número de vagens foram obtidos pela avaliação de 12 plantas coletadas ao acaso, em cada parcela.

O rendimento da soja, em cada tratamento, foi obtido pela colheita de toda a parcela, por meio de uma colhedora comercial Massey Fergusson MF32. A colheita foi realizada de forma escalonada, de acordo com a maturação de cada material. Os grãos foram depositados em big bags para a pesagem, por meio de uma balança acoplada à um trator equipado com pá carregadeira. A umidade de grãos foi corrigida para 13% para a apresentação em forma de tabela e gráfico (Tabela 1 e Figura 2).

Na Tabela 1 estão apresentados os resultados de estande de plantas, altura de planta e número de vagens por planta, em estádio reprodutivo R7, além do rendimento de grãos, na colheita. Os resultados de número de vagens e rendimento de grãos também estão apresentados na forma de gráficos (Figuras 1 e 2, respectivamente).

As variedades da Brasmax apresentaram os maiores valores de número de vagens, em especial a BMX ELITE IPRO, que alcançou média de 63 vagens por planta. Com relação à altura de plantas, houve variação entre as cultivares, de 1,05 m, com a BMX RAIO IPRO, à 1,39 m, com a M 5730 IPRO.

Todas as cultivares avaliadas apresentaram excelentes produtividades, com rendimento de grãos variando entre 79 a 91 sacas/ha. Destaque para BMX Raio IPRO e BMX Lança IPRO que apresentaram os maiores rendimentos (≈ 91 sacas/ha) no ensaio a campo.

 

Referências:

VERNETTI, F. J. Soja: planta, clima, pragas, moléstias e invasoras. Campinas: Fundação Cargill, 1983. v. 1.